Leia mais
Sem categoria

História da lingerie e o empoderamento feminino

A história que vamos contar hoje não é apenas sobre uma peça de roupa, é sobre um movimento de liberdade e o seu símbolo. A lingerie pode não ter nascido com esse propósito, mas com o passar do tempo, essa associação de empoderamento feminino e lingerie ganhou uma força descomunal, sendo muito importante (mesmo!) para nós mulheres. Por isso, essa história merece ser contada e transmitida para o maior número de pessoas possível.

Em 1830, os guarda-roupas das mulheres eram compostos, basicamente, por espartilhos e corsets, peças que não eram nada confortáveis para o corpo. Mas aí já havia um princípio de mudança que foi se concretizar em 1889, praticamente 60 anos depois. Nessa época, começaram a nascer alguns modelos que se assemelhavam ao que temos hoje, mas sem nenhum alcance ou popularidade. Nesse ano, a francesa Herminie Cadolle criou o corpete para seios, que era basicamente um modelo de sutiã da época. Herminie foi uma grande revolucionária, afinal, imagina criar o sutiã no século passado? A partir desse momento, a lingerie entrou de vez no cenário da moda, demonstrando o poder da mulher e sua liberdade de escolha.

Mas apesar de ter ganhado espaço nesse momento, a lingerie só foi se consolidar no início dos anos 1920, atrelada a movimentos e conquistas feministas muito importantes, como o direito ao voto, por exemplo. Nesse período, as grandes fabricas começaram a dar mais atenção as lingeries, produzindo essas peças em escalas industriais, popularizando cada vez mais o produto. Daí em diante, essa moda só cresceu e continuou nos empoderando cada vez mais.

Prova disso foi a criação das lingeries de cinta liga nos anos 50, que escandalizou a sociedade da época por conta da sensualidade. Mas esse preconceito passou rapidamente. Já nos anos 60, nasceram diversos modelos de calcinha e sutiãs, como por exemplo: peças de renda, tecidos mais leves, sutiã com bojo entre outros. Nesse período, as mulheres já tinham mais liberdade (não como hoje, claro); e essa popularização dos sutiãs contribuiu muito para o empoderamento da época, marcado pela liberdade de escolha das mulheres.

Nas décadas seguintes, as lingeries sofreram algumas alterações de modelos e materiais, mas a essência continuou a mesma. Grandes mulheres empoderadas como Madonna e Cher tinham modelos próprios (como o sutiã em formato de cone) que elevaram o status das lingeries e serviram de inspiração para mulheres do mundo todo.

Atualmente, as lingeries são, mais do que nunca, símbolos de empoderamento e liberdade de escolha para as mulheres, além de serem muito importantes para aumentar nossa autoestima. O mercado atual está cada vez mais preparado para empoderar todas, sem exceção. Prova disso é o investimento da indústria de lingeries na busca das melhores modelagens para enaltecer o corpo feminino em suas diferentes formas. Isso faz com que nós, mulheres, tenhamos mais opções de conforto, estilo e personalidade nas lingeries.

Bem, essa é a história da lingerie, que sempre esteve e sempre vai estar ligada a liberdade individual da mulher e a sua própria autoestima, não do homem. Um símbolo muito importante para nós mulheres.